domingo, 30 de julho de 2017

Duas camponesas...

Pintura.​Cena antiga em um lugar muito tranquilo; e​m um recanto ​florido, sobre a relva, duas jovens camponesas em pé, ​com traços muito delicados e expressão neutra,​vestidas com trajes típicos, cabelos presos em coque baixo, conversam. A camponesa à esquerda, segura um cantil. Ela diz: Vamos marcar alguma coisa. A outra, com a mão apoiada à cintura e com a barra do avental recolhido até as coxas, deixando a vista a saia vermelha longa e franzida, responde: Quando vc quiser. E o diálogo segue: Amanhã? Amanhã não dá. Sábado? Sábado eu não posso. Ano que vem? Pode ser. Então vamos nos falando. Tá bom. Ao fundo, uma leve neblina envolve a paisagem da região campestre que ladeia o rio.
Pintura.​Cena antiga em um lugar muito tranquilo; e​m um recanto ​florido, sobre a relva, duas jovens camponesas em pé, ​com traços muito delicados e expressão neutra,​vestidas com trajes típicos, cabelos presos em coque baixo, conversam. A camponesa à esquerda, segura um cantil. Ela diz: Vamos marcar alguma coisa. A outra, com a mão apoiada à cintura e com a barra do avental recolhido até as coxas, deixando a vista a saia vermelha longa e franzida, responde: Quando vc quiser. E o diálogo segue: Amanhã? Amanhã não dá. Sábado? Sábado eu não posso. Ano que vem? Pode ser. Então vamos nos falando. Tá bom. Ao fundo, uma leve neblina envolve a paisagem da região campestre que ladeia o rio.